SISEM questiona no Ministério da Educação, o Programa Profuncionário

Em sua viagem à Brasília na última semana, os diretores do Sisem, Marcos Tabosa e Rodolfo Carlos Ferreira, estiveram no Ministério da Educação, para questionar o Programa Profuncionário, no que diz respeito à disparidade do percentual de remuneração pela capacitação profissional, existente entre os trabalhadores de Educação dos Estados da Federação.

Instituído e implantado a partir de 2008, o Programa Profuncionário passou a contar com a participação dos Institutos Federais, que são responsáveis pelas seguintes ações:

a) formar tutores e professores orientadores que atuarão na formação técnica, em nível médio, dos funcionários da educação pública. A capacitação dos tutores e professores orientadores justifica-se pelo fato de que eles desempenham um papel central no Programa Profuncionário.

Realizam, além da formação, o acompanhamento, a orientação da prática profissional supervisionada, bem como o apoio aos cursistas em suas práticas coletivas e individuais ao longo do curso. Para tanto, os tutores e professores orientadores receberão auxílio dos professores formadores de tutores (PFT) que serão designados pelo CEFETs e assessorar os sistemas de ensino nas atividades de divulgação e implantação do Curso Técnico de Formação para os Funcionários da Educação (Profuncionário).

A justificativa dos técnicos do Ministério da Educação se refere à falta de um plano de cargos e carreiras para a categoria, pois somente dentro deste plano, é possível fazer um repasse de incentivo mais justo e igualitário entre os estados-membros.

Ao se certificar que a perda salarial sofrida pelos trabalhadores da Educação acontece em função da falta de um plano de cargos e carreiras para a categoria, a Diretoria do SISEM confirmou que suas ações estão direcionadas para o rumo certo, em razão de haver lutado pela implantação de um novo Plano de Cargos e Carreiras, cujos trabalhos de elaboração se encontram em andamento, através da dedicação de um grupo seleto de competentes servidores, que foram encarregados pelo Executivo para tão importante missão, razão pela qual lhes serão encaminhados os subsídios coletados, para a devida previsão legal, permitindo que a categoria seja mais bem remunerada e valorizada pelas atividades que executa em prol de uma educação pública de qualidade.